Tráfico de drogas: o problema do Brasil

Violência generalizada, homicídios, crimes patrimoniais, agressões…, tudo decorre do tráfico de drogas, o problema do Brasil.

A maior parte disso é consequência das drogas. Mas não das drogas em si (maconha, cocaína, crack, lsd…), e sim do combate às drogas.

As chacinas, a perseguição do Estado aos mais pobres, as UPP’s, a discriminação, os tiroteios, as mortes dos “bandidos” e dos policiais, menores da periferia fora da escola, o genocídio institucionalizado, tudo é decorrente da “guerra” ao tráfico de drogas.

Como podemos resolver essas questões? Com o fim do tráfico ilícito de entorpecentes.

Mas o fim do tráfico de drogas é obtido com o fim do consumo das “drogas” ou com o fim da proibição do consumo?

O maior mal das drogas está na criminalização delas, fazendo com que os envolvidos sejam marginalizados, delegando a distribuição dos entorpecentes aos mais frágeis da sociedade, e não no efeito causado àquele que a consome.

Não podemos acreditar que o mal está na droga (como substância), combatendo-as, demonizando-as, sob o argumento de que “fazem mal”, pois várias outras coisas (como o bacon, por exemplo) fazem muito mais mal à saúde do que o consumo de “drogas”, mas nem por isso são proibidos.

Quantas pessoas morrem por dia em decorrência do combate ao tráfico de drogas e quantas morrem pelo uso das substâncias criminalizadas?

Faz sentido mantermos o combate às drogas, nos moldes como fazemos hoje? Qual o resultado obtido? As pessoas pararam de vender e de usar drogas?

Acredito que a resposta dessas perguntas seja não, motivo pelo qual devemos mudar a estratégia que vem sendo adotada.

Quero deixar claro que o debate não é favorável/contrário ao uso de entorpecentes, mas fazer pensar: onde está o problema, na substância ilícita ou no genocídio diário (“justificado” pelo combate ao tráfico)?

Temos de compreender, também, que o fato de uma substância ser lícita ou ilícita não faz com que seja mais ou menos consumida. O álcool e o tabaco, por exemplo, são substâncias lícitas, mas as pessoas não nascem com uma lata de cerveja e um maço de cigarro nas mãos.

Argumentar que a legalização aumentará o consumo é tão frágil quanto sustentar a impossibilidade pelo “mal” que fazem.

Na realidade, ao demonizarmos as “drogas”, ao invés de entendê-las, caímos no objetivo daqueles que, hoje, nos “governam”, que é tirar o foco dos reais traficantes, daqueles que verdadeiramente lucram com as drogas, os quais, engravatados, na Capital do Brasil, riem da nossa cara a cada morte decorrente do tráfico de drogas.

Se não querem que as pessoas usem drogas, lícitas ou ilícitas, eduquem melhor os seus filhos e sejam mais presentes em suas vidas. Não é a criminalização que afastará as pessoas do uso de entorpecentes.

Somos hipócritas o suficiente para apontarmos o dedo pra “favela”, apoiando chacinas diárias, mas, escondidos, tomamos calmantes, relaxantes musculares, dentre várias outras drogas legalizadas todos os dias, com o mesmo objetivo daqueles que usam as drogas ilícitas.

O problema, então, está na criminalização ou no ser humano?

Uma coisa é certa, a criminalização das drogas e as medidas de “combate” não vêm resolvendo nada! Pelo contrário, só fazem aumentar a violência.

Que tal legalizarmos para ver o resultado?!

Afinal, como disse um dos nossos “políticos”, “pior do que tá não fica”.


Gostou do texto? Curta! Basta clicar na estrela que está abaixo do post.

Comente também! Mesmo se não gostou ou não concordou.

Para atingir um resultado maior e melhor, o assunto deve ser debatido e as opiniões trocadas.

Ah! Segue o blog, né?! Sem falar de cadastrar o seu email para receber as nossas atualizações sempre que novos textos forem postados. Basta ir no final da página inicial, clicando aqui, e seguir o passo a passo. É fácil e assim você não perde nenhum post.

Um grande abraço!

Anúncios

4 comments

  1. Acredito que não entendeu nada do que está escrito no texto. A vítima não é o traficante, é a sociedade.
    O vilão é o Estado que fomenta essa violência.
    Isso tudo é Criminologia Crítica, uma matéria relacionada às Ciências Criminais.

    Aí eu te pergunto: qual a necessidade da ofensa? não gostou, ótimo, é seu direito.

    Comente e aponte seu raciocínio.

    Só não me venha com agressões gratuitas e que não levam a nada.

    O objetivo desse espaço é contribuir para o debate, não incitar ou propagar a violência.

    Infelizmente, pelo teor do seu comentário, terei que reprová-lo na moderação.

    Um grande abraço

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s