Criminologia

A descriminalização das drogas significa a liberação do consumo?

Ao falar da descriminalização das drogas, logo vemos aqueles velhos argumentos de que não podemos fazer isso, pois as drogas fazem mal à saúde, destroem famílias, acabam com a sociedade, …

É como se, ao descriminalizar, o consumo das drogas se tornasse automaticamente liberado; como se a descriminalização necessariamente permitisse o uso indiscriminado por todos.

“Mas você não percebe que a liberação das drogas vai transformar a sociedade em zumbis, todos drogados! É isso o que você quer?”.

“As drogas levam os nossos filhos pro mal caminho!”

Sinceramente, não consigo entender muito essa lógica: se a conduta deixa de ser crime, é liberada.

Será que é assim mesmo?

Primeiro, antes de falarmos diretamente sobre a descriminalização, temos que nos isentar de qualquer sentimento religioso. Não dá para tentar discutir política, direito e leis se nos mantemos presos aos dogmas religiosos.

Afinal, o Direito Penal não serve para criminalizar pecados, até mesmo pelo fato de que Estado e Religião não se misturam (ao menos não deveriam).

Quanto a descriminalização e a liberação do consumo, acredito que tirar do âmbito penal a matéria relativa ao consumo de drogas não significa que todos nós, automaticamente, sairemos por aí usando drogas.

As pessoas que nunca usaram não passarão a usar apenas pelo fato de ser descriminalizado.

Descriminalizar é retirar a matéria do âmbito penal; é fazer com que a conduta seja tratada de outra forma que não seja a criminal.

Segundo os princípios informadores do direito penal, essa matéria (penal) deve ser a ultima ratio, ou seja, o último instrumento a ser utilizado pelo Estado.

Os princípios são:

  • Princípio da Insignificância, somente os bens jurídicos mais relevantes é que devem ser tutelados pelo Direito Penal.
  • Princípio da Intervenção Mínima: o Estado, por meio do Direito Penal, não deve interferir em demasia na vida do indivíduo, de forma a tirar-lhe a liberdade e autonomia, deve sim, só fazê-lo quando efetivamente necessário.
  • Princípio da Fragmentariedade: pode ser entendido em dois sentidos: a) somente os bens jurídicos mais relevantes merecem tutela penal; b) exclusivamente os ataques mais intoleráveis devem ser punidos com sanção penal.
  • Princípio da Adequação Social: preconiza de ideia de que, apesar de uma conduta se subsumir ao tipo penal, é possível deixar de considerá-la típica quando socialmente adequada, isto é, quando estiver de acordo com a ordem social.
  • Princípio da Ofensividade: somente podem ser erigidas à categoria de crime condutas que, efetivamente, obstruam o satisfatório conviver em sociedade, e se foi de tal proporção que justifique a intervenção penal,
  • Princípio da Exclusiva Proteção dos Bens Jurídicos: o Direito Penal deve se restringir à tutela de bens jurídicos, não estando legitimado a atuar quando se trata da tutela da moral, de funções estatais, de ideologia, de dada concepção religiosa etc.

Então, o uso de drogas seria matéria a ser regulada pelo direito penal?

A resposta, ao meu sentir, é NÃO!

Cada dia a mais de criminalização das drogas é representado pela execução (autorizada, prevista e realizada direta e indiretamente pelo Estado) de centenas de vidas (sejam elas de policiais ou daqueles envolvidos de alguma forma com o tráfico).

Não há dúvidas de que a guerra ao tráfico mata muito mais do que o consumo de qualquer “droga”; do que qualquer crime que, como gostam de afirmar por aí, foi praticado pelo consumo de “entorpecentes”. E causa muito mais “gastos” do que o tratamento aos “drogados” ou à prevenção ao uso.

Temos que entender de uma vez por todas que a descriminalização não tem como consequência lógica a liberação ao uso.

Com a descriminalização vem a necessária regulamentação da conduta, com sanções administrativas ou civis, por exemplo.

Existem vários países em que o uso de bebidas alcoólicas é permitido (não sendo crime), mas não há possibilidade de consumir em público. Logo, a conduta não é criminalizada e o consumo não é liberado.

Aqui no Brasil também não liberamos o uso indiscriminado do álcool e do tabaco, apesar de não ser uma conduta criminalizada, pois não é permitido que menores de 18 anos consumam, assim como não é permitido beber e fumar em determinados luares.

Ao afirmar que a descriminalização representa a liberação do consumo, estão dizendo que esta questão estará livre de restrições e não é assim que devemos olhar o tema.

O objetivo principal é retirar do direito penal a responsabilidade pelo “controle” da política de drogas, para, assim, possibilitar o devido tratamento aos usuários.

Por fim, devemos ter em mente que qualquer questão relacionada ao consumo de drogas está diretamente relacionada com a forma como lidamos com o tema.

Temos que falar mais sobre isso dentro de casa, com nossos pais, filhos e familiares.

Bastou, por exemplo, uma maior divulgação sobre os malefícios do cigarro, com campanhas efetivas que demonstram o risco à saúde, com o fim de propagandas incentivando o consumo, para a redução do número de fumantes.

Segundo uma rápida pesquisa na internet, o número de fumantes reduziu 30,7% em 09 anos.

E nem preciso dizer que essa redução do consumo não se deu pela criminalização da conduta de fumar tabaco, mas pela conscientização da população sobre os malefícios.

Com mais conscientização e menos criminalização resolveremos qualquer problema que possa ser gerado pelo consumo das drogas.


Gostou do texto? Curta! Basta clicar na estrela que está abaixo do post.

Comente também! Mesmo se não gostou ou não concordou.

Para atingir um resultado maior e melhor, o assunto deve ser debatido e as opiniões trocadas.

Ah! Segue o blog, né?! Sem falar de cadastrar o seu email para receber as nossas atualizações sempre que novos textos forem postados. Basta ir no final da página inicial, clicando aqui, e seguir o passo a passo. É fácil e assim você não perde nenhum post.

Um grande abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s