Diferença entre “criminoso rico” X “criminoso pobre”

Há diferença de tratamento entre criminosos (ricos e pobres)?

Não deveria, pois todos são infratores da lei, mas não é o que ocorre.


Mais um dia está prestes a acabar e, como sempre, passeio por alguns sites de notícias para saber quais são as “novidades”.

Em um determinado portal, são três as notícias principais: uma sobre concurso público e duas sobre crimes.

Como eu tenho gosto pela área criminal, logo fui para as duas que são relacionadas ao assunto.

Uma delas era sobre um furto de carne moída em um supermercado; a outra um crime de estupro.

Como sabemos, existem casos sigilosos, pois é necessário resguardar alguns direitos. Processos de família; ou os que possuem declaração de imposto de renda; casos de estupro; todos são exemplos de processos em segredo de justiça.

Só que, por incrível que pareça, não foi isso o que vi. Enquanto colocaram na notícia do estupro a foto do suspeito, a idade, nome completo e bairro onde mora; no caso do furto, o nome não foi informado; a imagem foi manchada, pois o agente criminoso não pode ser identificado.

Qual será o motivo?

Não seria o caso de estupro aquele que deveria ser protegido pelo sigilo?

A consequência de expor a imagem do suspeito de furto é muito menor do que a do suspeito de estupro. E se “o estuprador” não for o autor?

Como reverter esse quadro? Há possibilidade de reverter?

Por qual motivo, então, a imagem do furtador foi preservada e a do estuprador foi exposta?

A resposta está nas próprias notícias: o furtador é um “empresário”, enquanto o estuprador é um “Zé Ninguém”, morador da zona rural de uma cidade do interior do Espírito Santo.

LEIA TAMBÉM:  O que é prisão em flagrante?

Gostou do texto? Curta! Basta clicar na estrela que está abaixo do post.

Comente também! Mesmo se não gostou ou não concordou.

Para atingir um resultado maior e melhor, o assunto deve ser debatido e as opiniões trocadas.

Ah! Segue o blog, né?! Sem falar de cadastrar o seu email para receber as nossas atualizações sempre que novos textos forem postados. Basta ir no final da página inicial, clicando aqui, e seguir o passo a passo. É fácil e assim você não perde nenhum post.

Um grande abraço!

Anúncios

6 comentários

  1. A cadeia está cheia de pobres, que roubaram xampús, secadores, batons. Estas mulheres não têm direito de converter suas penas para trabalhos comunitários. Mas os poderosos cometem crimes contra o patrimônio e ficam impunes…
    Que país é esse? Ah, já sei: é o meu Brasil!
    Um grande abraço e meus parabéns pela postagem belíssima, caro amigo.
    Alex

    1. Isso se chama seletividade penal, teoria da criminologia crítica que explica o motivo pelo qual nosso sistema penal é voltado para pobres.
      Ouso a afirmar que no Brasil pobreza é crime.
      Basta assistir às audiências criminais e verificar quem são os réus: moradores de periferia, pardos/negros, com pouco estudo, sem emprego formal, …
      Mas isso não significa que somente pobres cometem crimes, significa apenas que nosso sistema penal tem mais olhos para classes sociais mais baixas.
      Como disse em outro post, o que é mais gravoso: a sonegação de impostos/desvio de verbas públicas ou o furto/roubo de bens particulares?
      E o que tem pena maior: a sonegação ou o roubo?

      Um grande abraço, irmão!

  2. Pedro, há anos eu me revolto com estas notícias. Procure na internet os dados pessoais de pessoas ricas que atropelaram e mataram pessoas inocentes (pobres) por dirigirem alcoolizados. O máximo que aparece é o carro esportivo amassado. Não se falam nomes. É sigilo total!

    1. Pois é, a seletividade é muito grande.
      Acho que a mídia tem medo de expor a imagem de quem tem dinheiro e ser processada depois, o que geralmente não acontece com quem é pobre (e que nem sabe quais são os seus direitos).

      Ainda bem que existe uma nova geração aí (e nós fazemos parte dela) que vem pra mudar conceitos e paradigmas.

      Um grande abraço!

O que achou do post? Deixe seu comentário aqui: