Criminologia

O Brasil realmente é o país da impunidade?

Com certeza, em uma pesquisa popular, a maior parte das respostas será no sentido de que o Brasil é o país da impunidade.

24-05-11-jpg

Acredito, inclusive, que até eu e você já dissemos isso ao menos uma vez na vida; outros até acreditam realmente nisso.

E não há nenhum problema, pois somos induzidos a pensar assim, é mais “interessante”(!).

Impunidade”, segundo o dicionário, é: “1 Estado de impune 2 Falta de castigo devido”; sendo que “impune” significa: “1 Que ficou sem castigo 2 Que não foi reprimido”.

Assim, é de se supor que no “país da impunidade” não tenha presos ou processos criminais, certo?!

Todavia, não é o que ocorre na realidade, ao menos não é o que os dados demonstram.

Segundo informações do CNJ, “Com as novas estatísticas, oBrasil passa a ter a terceira maior população carcerária do mundo, segundo dados do ICPS, sigla em inglês para Centro Internacional de Estudos Prisionais, do King’s College, de Londres. As prisões domiciliares fizeram o Brasil ultrapassar a Rússia, que tem 676.400 presos”.

Continua, “A nova população carcerária brasileira é de715.655 presos. Os números apresentados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) a representantes dos tribunais de Justiça brasileiros, nesta quarta-feira (4/6), levam em conta as 147.937 pessoas em prisão domiciliar. Para realizar o levantamento inédito, o CNJ consultou os juízes responsáveis pelo monitoramento do sistema carcerário dos 26 estados e do Distrito Federal. De acordo com os dados anteriores do CNJ, que não contabilizavam prisões domiciliares, em maio deste ano a população carcerária era de 567.655.”.

Ademais, se a taxa de crescimento das prisões continuar no mesmo ritmo, um em cada 10 brasileiros estará atrás das grades em 2075.

No meu Estado (ES), a população carcerária cresceu 287% em sete anos. Em 2005, eram 5.136 pessoas presas. Em 2012, 14.790.

Como afirmar, então, que um país com tantos presos é o país da impunidade?

Podemos punir mal, mas não há possibilidade de afirmar que não punimos.

Acho melhor pensar por outra ótica, pelo lado de que é interessante (para o Estado) difundir essa ideia da impunidade.

É esse “medo” (imposto) que controla a nação.


Gostou do texto? Curta! Basta clicar na estrela que está abaixo do post.

Comente também! Mesmo se não gostou ou não concordou.

Para atingir um resultado maior e melhor, o assunto deve ser debatido e as opiniões trocadas.

Ah! Segue o blog, né?! Sem falar de cadastrar o seu email para receber as nossas atualizações sempre que novos textos forem postados. Basta ir no final da página inicial, clicando aqui, e seguir o passo a passo. É fácil e assim você não perde nenhum post.

Um grande abraço!

Anúncios

6 respostas »

  1. Esta sua análise é bem interessante. Se nos concentrarmos em números, realmente, há muitas punições em andamento.

    Mas acho, na minha humilde opinião, me perdoe se eu estiver errado, chegamos num ponto onde impunidade tem uma outra perspectiva.

    O que eu quero dizer com isso? Não é exatamente apenas o ato de punir, pois punir, pune-se, mas com qual punição?

    Aquela punição que coloca na cadeia apenas pessoas menos favorecidas? Aquela punição que coloca atrás das grades apenas as pessoas que não possuem poder de burlar ou comprar juízes e advogados?

    É difícil vermos pessoas de colarinho branco presas. É difícil vermos pessoas ricas presas em prisões comuns.

    É exatamente esta a minha esperança neste País, vermos as leis e os direitos sendo exercidos em todas as classes.

    Infelizmente a lei pesa para os mais fracos e oprimidos, enquanto é mais branda e cheia de brechas para os mais poderosos. Isso precisa mudar.

    Como eu disse, se for se basear em quantidade de prisioneiros e prisões, realmente, há muitas punições, mas se nos concentrarmos na aplicação das leis, sem dois pesos e duas medidas, ainda há muita impunidade.

    Me perdoe pelo comentário extenso.

    Abraço!

    Curtido por 1 pessoa

    • Mas aí o problema está, então, na qualidade da punição e não na falta da punição em si.

      Há punição até de mais, mas punições ruins, entrando, assim, no seu questionamento de que a punição não serve pra nada e não atinge indistintamente a todos que praticam crimes.

      Eu concordo com você, mas temos que ter o cuidado com a diferença entre “impunidade” e punição de má qualidade.

      Um grande abraço!

      Curtido por 2 pessoas

      • Sim, o que erroneamente, popularmente, pode ser classificada como falta de impunidade, o que indiretamente não deixa de ser, porque infelizmente estes maus exemplos podem servir de incentivo a impunidade, para se cometer ainda mais delitos já que as leis aqui só favorecem os mais abastados. Valeu!

        Curtido por 2 pessoas

  2. Sobre o país ser impune.
    Eu acho que sim é impune sim… vejam só q única punição aqui é ficar atrás das grades, e algumas ainda tem aquele processo de admissão a sociedade pronto para o mercado de trabalho e que com isso reduz o crime, tem mas é bem pouco, deveriam expandir isso.
    Mas agora veja só cómigo… a maioria das prisões apenas mantém o detento preso e com seu banho de sol de ate 2 horas e que é muito perigosa onde sempre morre detento pelos próprios presos, ou como punição ou por cobrança de dívida. Ainda sim tem aquelas prisões que são dominadas por preso que fazem o que querem… aonde isso é punir?
    Também tem o tempo que eles ficam… que é vergonhoso…
    Aonde quero chegar é que aqui nesse país os presos conseguem controlar até tráfico de Estados distantes e até de outras fronteiroas…
    Aqui é um país que “beneficia” os presos

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s