criminologia crítica

Ainda sobre o “caso Bruno”: há um grande problema na oportunidade que foi dada a ele

Com a notícia da soltura do goleiro Bruno e da sua contratação por um time de futebol, o Boa Esporte, o que não faltou foi crítica ao fato dele mal ter saído da prisão e já ter sido beneficiado com uma oportunidade de emprego.

Disseram que por ele ter matado uma mulher, não ter confessado o crime, ter sido preso e outras coisas, não poderia ter tido uma oportunidade de trabalho.

Mas temos que ir além desse pensamento comum.

O primeiro ponto é relativo ao fato de que a pessoa, por mais que tenha cometido um ato considerado criminoso, tenha sido presa e tudo mais, não pode ser privada de ter uma nova oportunidade após sua soltura. Pelo contrário, a ela deve ser dada toda oportunidade para que consiga recomeçar a sua vida e trilhar um caminho longe do crime.

No caso do Bruno, qual é a profissão dele? Jogador de futebol. Logo, qual a oportunidade que poderia ter sido dada a ele que não a de jogar bola?

Falando nisso, lembram do cantor Belo? Foi condenado, cumpriu pena e está por aí fazendo shows, ganhando dinheiro, aparecendo bem na mídia e tendo muito mais sucesso do que o Bruno terá. Vamos proibir o Belo de cantar, por ter cometido crime e sido preso?!

Outra questão relevante está no fato de que nem sequer podemos dizer que o Bruno é o autor do crime, ou seja, por mais que ele já tenha sido condenado em 1ª Instância, não há uma decisão transitada em julgado em seu desfavor, motivo pelo qual ele ainda não pode ser considerado culpado do crime que lhe é imputado (por mais que as evidências apontem para ele como autor do crime).

Se já devemos dar uma chance a quem é condenado, devemos muito mais a quem ainda não é oficialmente culpado.

Além do mais, o Código Penal, em seu artigo 59, é claro ao mencionar que a pena será estabelecida de modo a ser necessária e suficiente para a reprovação e prevenção do crime.

Dessa feita, a maior pena que ele, Bruno, poderia suportar não é a de prisão, mas a perda do status, do dinheiro, da possibilidade de ter uma carreira de sucesso, de ser titular de um grande clube.

Hoje, ele é apenas mais um jogador, se é que assim podemos dizer, rotulado como assassino, do elenco de um time da 2ª Divisão do campeonato nacional, com grande dificuldade e baixa probabilidade de ser titular desse time.

Foram cerca de 7 anos de prisão, sem treinamento específico, alimentação balanceada e tantas outras coisas que um atleta profissional precisa para se manter em um nível competitivo.

Ele, numa hipótese muito favorável, vai ficar no banco de reservas do Boa Esporte, por não ter condições físicas, técnicas e psíquicas para barrar o goleiro titular.

E mais, muito louvável a atitude do Boa Esporte em dar essa oportunidade ao Bruno, clube que, inclusive, tem um histórico de apoio aos presos, como no caso da utilização da mão de obra de detentos para a reforma do centro de treinamento e do estádio, os quais são próximos ao presídio de Varginha (Time de Bruno fez acordo para que 60 presos reformassem estádio).

O mais interessante é que esse clube, por dar uma chance a um ex-detento, perdeu os mais variados patrocínios e está correndo risco de perder o apoio financeiro do município, demonstrando que ao invés de apoio há um desincentivo coletivo na ajuda ao próximo.

É fundamental que a gente entenda que tudo isso vai muito além de passar a mão na cabeça de um bandido, é dar oportunidade a uma pessoa que errou de seguir em frente e, quem sabe, melhorar como ser humano.

Provavelmente, quando erra, independentemente da situação, você pede uma segunda chance. Por qual razão com ele seria diferente?

Todos merecem uma chance. Todos, sem exceção!

E é aí que entra o grande problema que disse no título desse texto: essa oportunidade deveria ser dada a todos os ex-detentos e não (quase que) exclusivamente ao Bruno.


Gostou do texto? Curta! Basta clicar na estrela que está abaixo do post.

Comente também! Mesmo se não gostou ou não concordou.

Para atingir um resultado maior e melhor, o assunto deve ser debatido e as opiniões trocadas.

Ah! Segue o blog, né?! Sem falar de cadastrar o seu email para receber as nossas atualizações sempre que novos textos forem postados. Basta ir no final da página inicial, clicando aqui, e seguir o passo a passo. É fácil e assim você não perde nenhum post.

Um grande abraço!

 

 

Anúncios

7 replies »

  1. Quem! No fundo não deva acreditar em uma outra oportunidade. Alias, precisa. Não há, outra esperança. Mas a questão é, estar no lugar de quem foi vitima. Estar agora entre nós, de viver e de sonhar uma nova chance. Pense!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s