Querer justiça não é o mesmo que querer a aplicação da lei

Basta a prática de um crime que tenha repercussão midiática e logo a imprensa procura os parentes da vítima para lhes indagar: “qual o seu sentimento agora?”, obtendo como resposta: “queremos justiça!”.

images

Sempre que eu ouço isso fico me questionando: o que é justiça? Qual é a justiça que essas pessoas querem? A aplicação da lei? A prisão? A morte?

Esses questionamentos surgem pelo fato de que muitas vezes a “justiça” que esperamos não é a mesma justiça legal.

Qual é a justiça que a família de uma vítima de homicídio espera que seja feita com o autor do crime? Será que para ela a prisão do acusado é suficiente? A condenação será uma representação da justiça?

Não há nada que possa ser feito para amenizar o sofrimento de quem é vitimado, logo, por mais que a Justiça atue, por mais que a lei seja aplicada, não fará a justiça esperada.

A lei, portanto, por mais que estabeleça uma determinada sanção para a prática de uma conduta considerada criminosa, nunca conseguirá agir conforme a vontade e o sentimento da vítima ou de seus familiares.

Afinal, qual é a justiça que pode ser feita no caso de um homicídio?

Nem mesmo com a pena de morte ou a prisão perpétua esse sentimento de justiça será alcançado.

Querer justiça, então, nem sempre corresponderá à aplicação da lei.

Inclusive, em muitos casos, não queremos justiça, mas vingança e o Estado não pode agir desse modo.

Por isso, não devemos querer que seja feita “justiça”, devemos almejar a aplicação da lei e, se entendermos que a lei é ultrapassada, a sua reforma.


Você escreve ou quer começar a escrever textos jurídicos que se enquadram no perfil do blog? Mande um e-mail para pedromaganem@gmail.com e vamos mudar paradigmas!

LEIA TAMBÉM:  O encarceramento feminino e os impactos do Estatuto da primeira infância

Gostou do texto? Curta! Basta clicar na estrela que está abaixo do post.

Comente também! Mesmo se não gostou ou não concordou. Para atingir um resultado maior e melhor, o assunto deve ser debatido e as opiniões trocadas.

Ah! Segue o blog, tanto no WordPress, quanto nas redes sociais. Sem falar de cadastrar o seu e-mail para receber as nossas atualizações sempre que novos textos forem postados. Para tanto, basta seguir o passo a passo que está na página inicial. É rápido e fácil e assim você não perde nenhum post.

Um grande abraço!

Anúncios

4 comentários

  1. Entendo que a lei é ultrapassada, e enquanto não há uma reforma, seria correto exigir-se a aplicação da lei? Pessoalmente, acredito que sim, contudo vejo que a maioria dos operadores do direito assim não procedem, quiçá pela ausência de uma postura crítica, ou mesmo pela preguiça, comodismo…

    1. As leis e a sociedade devem caminhar juntas, lado a lado, para que as primeiras representem os interesses da segunda e esta, por sua vez, consiga entender e respeitar as primeiras.
      Quanto a sua pergunta, não tem como deixar de exigir o cumprimento das leis, por mais ultrapassadas que as considere. Essa é a minha opinião.
      Um grande abraço

  2. Caro Pedro, mas é claro que concordo cm seu texto, sou um positivista por convicção, a norma esta (ai), interessa ser cumprida, pena que a mídia, quase sempre induz a sociedade ao erro, tal veis pelo desconhecimento do que diz a lei, ou pela palavra fácil do aplauso das massas, que aliais na maioria das vezes, querem vingança e não o cumprimento das leis.

O que achou do post? Deixe seu comentário aqui: