Direito Penal / Processo Penal

Flagrante próprio ou perfeito, impróprio ou imperfeito, presumido ou ficto

Basta uma simples análise para perceber que o tipo de prisão mais praticada no Brasil é a prisão em flagrante e por isso ela será o objeto da análise desse texto, mais especificamente no tocante aos flagrantes próprio ou perfeito, impróprio ou imperfeito, preparado ou provocado, forjado, esperado e diferido ou retardado.

A prisão em flagrante está estabelecida no artigo 302 do CPP, segundo o qual:

Art. 302. Considera-se em flagrante delito quem

I – está cometendo a infração penal;

II – acaba de cometê-la;

III – é perseguido, logo após, pela autoridade, pelo ofendido ou por qualquer pessoa, em situação que faça presumir ser autor da infração;

IV – é encontrado, logo depois, com instrumentos, armas, objetos ou papéis que façam presumir ser ele autor da infração.

As duas primeiras hipóteses, dos incisos I e II, são praticamente auto explicativas, sendo chamadas de flagrante próprio ou perfeito, em que o indivíduo ainda está cometendo o crime ou acabou de cometer.

A terceira hipótese é a do flagrante impróprio ou imperfeito, sendo que o legislador fez questão de destacar a presunção de autoria, pois, diferentemente das duas primeiras hipóteses, em que o agente está cometendo o crime ou acabou de praticar, no terceiro caso as circunstâncias em que o agente se encontra é que farão com que se presuma a autoria.

NUCCI, em seu CPP comentado, exemplifica da seguinte forma:

O do agente que, dando vários tiros na vítima, sai da casa desta com a arma na mão, sendo perseguido por vizinhos do ofendido. Não foi detido no exato instante em que terminou de dar os disparos, mas a situação é tão clara que autoriza a perseguição e prisão do autor. A hipótese é denominada pela doutrina de quase flagrante.

É importante ter em mente a necessidade da perseguição ter se iniciado logo após a prática do crime. De acordo com DELMANTO, no seu CPP comentado, “a perseguição há que ser imediata e ininterrupta, não restando ao indigitado autor do delito qualquer momento de tranquilidade”.

Portanto, “logo após a prática do crime” não é o mesmo que “logo após a autoridade policial tenha tomado conhecimento da prática do crime”.

Inclusive, é possível que a perseguição dure horas ou dias, desde que ela tenha sido iniciada logo após a prática criminosa.

Há quem estabeleça um período de tempo entre a prática do crime e a perseguição, de forma a caracterizar o flagrante. Eu entendo que cada caso é um caso e que, dessa forma, não é possível estabelecer um requisito temporal fixo, devendo haver razoabilidade na interpretação.

A última hipótese (a do inciso IV) é chamada de flagrante presumido ou ficto.

NUCCI diz que:

Constitui-se na situação do agente que, logo depois da prática do crime, embora não tenha sido perseguido, é encontrado portando instrumentos, armas, objetos ou papéis que demonstrem, por presunção, ser ele o autor da infração penal. É o que comumente ocorre nos crimes patrimoniais, quando a vítima comunica à polícia a ocorrência de um roubo e a viatura sai pelas ruas do bairro à procura do carro subtraído, por exemplo. Visualiza o autor do crime algumas horas depois, em poder do veículo, dando-lhe voz de prisão.

Assim como no caso do inciso III, em que a perseguição deve se dar logo após a prática criminosa, o indivíduo deve ser encontrado logo depois do crime.

Para DELMANTO, “devido à maior fragilidade probatória, a expressão ‘logo depois’ do inciso IV deve ser interpretada, ao contrário do que foi acima afirmado, de forma ainda mais restritiva do que a expressão ‘logo após’ do inciso III. Em outras palavras, se o indigitado autor está sendo ininterruptamente perseguido, desde o momento da suposta prática do delito, aí sim admitir-se-ia elastério temporal maior”.

Dessa feita, se uma pessoa é encontrada com os objetos subtraídos no roubo um dia depois da prática criminosa não é possível considerá-la em flagrante no crime de roubo. Poderá ser preso por receptação (por estar na posse de bem que saiba ser produto de crime), mas não pelo roubo.

Novamente, exige-se bom senso na interpretação do “logo depois”, de modo a não legitimar prisões em flagrante que não estão em situação flagrancial.

Devemos chamar a atenção para os crimes considerados permanentes, isto é, quando a consumação ocorre com uma ação, mas o resultado se arrasta por longo período, de forma a continuar o processo de consumação/execução do crime:

Art. 303. Nas infrações permanentes, entende-se o agente em flagrante delito enquanto não cessar a permanência.

O tráfico de drogas, porte/posse ilegal de arma de fogo, sequestro, dentre outros, são crimes permanentes. Desse modo, o indivíduo estará em flagrante enquanto estiver na posse da droga, da arma ou da pessoa sequestrada.

No roubo, por exemplo, a prisão em flagrante somente poderá ocorrer se o agente estiver cometendo o crime, tenha acabado de cometer, seja perseguido logo após a prática ou seja encontrado logo depois.

No crime permanente, como a pessoa estará cometendo o crime enquanto estiver com a droga, por exemplo, não haverá maiores problemas para a configuração do flagrante.

Desse modo, encerramos o presente texto sobre prisão em flagrante.


Gostou do texto? Curta! Basta clicar na estrela que está abaixo do post.

Comente também! Mesmo se não gostou ou não concordou.

Para atingir um resultado maior e melhor, o assunto deve ser debatido e as opiniões trocadas.

Ah! Segue o blog, né?! Sem falar de cadastrar o seu email para receber as nossas atualizações sempre que novos textos forem postados. Basta ir no final da página inicial, clicando aqui, e seguir o passo a passo. É fácil e assim você não perde nenhum post.

Um grande abraço!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s