O crime não perdoa

Mévio era um adolescente com pouco mais de 16 anos.

Sua rotina era quase sempre a mesma, estudava de manhã e passava as tardes soltando pipa.

Em um determinado momento da vida, sabe-se lá qual foi a hora exata que o caminho desandou, Mévio começou a andar com uma galera barra pesada.

Certo dia se viu transportando 15kg de pasta base de cocaína para uma pessoa que conheceu nessa turma.

O serviço era “simples e garantido”. Bastava buscar uma mala na rodoviária e em troca teria uma grana “boa”, além de uma inesquecível noite de sexo com uma das mulheres do grupo.

E lá foi Mévio, pensando em como gastar o dinheiro e como seria o sexo de mais tarde.

Ao chegar na rodoviária, logo viu a pessoa com a mala que precisava pegar.

Eles nem se olharam ou se falaram, um passou a mala pro outro e seguiram direções opostas.

O coração estava a mil por hora, Mévio até suava de tanto nervosismo.

Nessa hora ele já tinha esquecido do dinheiro e do sexo. Pensava apenas no risco de ser preso.

Tudo que ele queria era chegar logo ao destino e se desfazer da maldita mala com drogas.

Mas no meio do caminho, já próximo do local combinado para deixar as drogas, a polícia aborda Mévio, apreende a droga e ele é autuado em flagrante pela prática de ato infracional análogo ao crime de tráfico de drogas (art. 33, Lei 11.343/06).

Para a sorte de Mévio, ele era um adolescente, primário, com residência fixa, o “crime” foi praticado sem violência ou grave ameaça, sendo reintegrado à família, ou seja, foi colocado em liberdade pouco tempo depois.

LEIA TAMBÉM:  Precisamos parar de chamar as pessoas de "bandido"

Aqueles foram os piores dias para Mévio, tudo que ele queria era esquecer o que passou e seguir em frente, ter uma nova vida.

Conheceu pessoas e ouviu histórias que não mais queria lembrar.

Só que Mévio se esqueceu de um pequeno detalhe, o crime não perdoa. Ao ser preso, Mévio perdeu uma grande quantidade de drogas e causou prejuízo a quem pagou por elas.

E essa dívida, mais cedo ou mais tarde, vai ser cobrada, de uma forma ou de outra.

Dito e feito, passados alguns dias da soltura de Mévio, um dos integrantes da organização criminosa (que era a dona da droga que Mévio “perdeu” ao ser preso) aborda o adolescente quando ele saía da escola e fala: “Bora, moleque, o patrão quer falar com você!”.

De frente para o “patrão”, Mévio ficou sabendo que estava devendo ao tráfico e que teria que pagar o prejuízo.

Dessa vez, para compensar, o “serviço” era roubar um carro (modelo específico) que, após ser clonado, seria utilizado para o transporte de grande quantidade de drogas.

A única opção era “aceitar”, pois a recusa provavelmente significaria a sua morte.

Mévio, coitado, nunca tinha pegado em uma arma de fogo, até aquele dia.

Na hora combinada, Mévio se encontrou com outro indivíduo que também participaria do crime e recebeu dele um revólver calibre 22, devidamente municiado, além de ouvir a seguinte frase: “Vê se não treme, menor. Se precisar usar é só apontar e puxar o gatilho sem dó!”

Ele olhou para a arma e logo a colocou na cintura, subindo na moto em seguida.

Ao visualizarem o veículo desejado, desceram rapidamente da motocicleta e logo que Mévio apontou a arma e anunciou o assalto, foi atingido por três disparos de arma de fogo que partiram de dentro do automóvel e morreu naquele exato momento, sem nem sequer ter chance de terminar a frase “é um assalto!”.

LEIA TAMBÉM:  Qual a diferença entre majorante, qualificadora e agravante?

Mévio, um simples jovem que nem mesmo conseguiu completar o ensino médio, já foi morto, pois o crime não perdoa.

Esse, obviamente, é um caso hipotético (mas não inverídico) e tenta demonstrar como o tráfico de drogas é o que de mais grave existe em nossa sociedade, responsável diretamente pelos altos índices de violência e insegurança que presenciamos.

Acabar com o tráfico de drogas é salvar a vida de vários jovens, inclusive a de Mévio que, por uma decisão mal tomada, se viram envolvidos na perversa e inescapável teia do crime.


Você escreve ou quer começar a escrever textos jurídicos que se enquadram no perfil do blog? Mande um e-mail para pedaromaganem@gmail.com e vamos mudar paradigmas!


Gostou do texto? Curta! Basta clicar na estrela que está abaixo do post.

Comente também! Mesmo se não gostou ou não concordou. Para atingir um resultado maior e melhor, o assunto deve ser debatido e as opiniões trocadas.

Ah! Segue o blog, tanto no WordPress, quanto nas redes sociais. Sem falar de cadastrar o seu e-mail para receber as nossas atualizações sempre que novos textos forem postados. Para tanto, basta seguir o passo a passo que está na página inicial. É rápido e fácil e assim você não perde nenhum post.

Um grande abraço!

Anúncios

O que achou do post? Deixe seu comentário aqui: