O caos no Espírito Santo e a comprovação de que precisamos evoluir muito (e você pode ajudar)

Como muitos devem ter percebido, o Espírito Santo (o Brasil, o Mundo) vive um grande problema. A Polícia Militar entrou em greve (sim, a PM está de GREVE), sem nenhum homem na rua e isso já dura quase uma semana. Apesar de ser proibido o movimento grevista dos policiais militares, ante a militarização da polícia, arrumaramContinuar lendo “O caos no Espírito Santo e a comprovação de que precisamos evoluir muito (e você pode ajudar)”

Não podemos exigir o cumprimento das normas

Uns dias atrás eu vi uma postagem no Facebook que falava sobre a nossa impossibilidade de exigir de certas pessoas o cumprimento das (nossas) normas. Desde então, não consigo mais parar de pensar nela. Esse post era composto de uma foto (abaixo), atribuída a Rubén González, e os seguintes dizeres: “Meninos de rua tentando se aquecer nosContinuar lendo “Não podemos exigir o cumprimento das normas”

A (ausência da) família e a escolha pela subversão

O preso foi apresentado ao juiz da audiência de custódia (procedimento em vigor nos Estados de SP e ES) e começou a ser qualificado processualmente, com perguntas sobre nome, filiação, data de nascimento, dentre outras. Em determinado momento (acredito que em resposta a pergunta se residia com os pais) aquele indivíduo que se encontrava preso disse:Continuar lendo “A (ausência da) família e a escolha pela subversão”

Precisamos entender melhor a política

Nós precisamos nos inteirar melhor sobre política, entender mais como funcionam as coisas. Vamos às ruas pedir a cabeça da presidente e do ex, mas nos esquecemos que a engrenagem é muito maior do que isso e que é essa a “mudança” que (eles “donos do poder”) querem que aconteça. Mudar o/a presidente não adiantaContinuar lendo “Precisamos entender melhor a política”

O que importa é prender (preventivamente), nada mais

Não é difícil constatar, o que importa mesmo, no Brasil, é prender. Prender para averiguar, prender para investigar, prender para punir. Mas não é qualquer prisão, gostamos mesmo é da prisão preventiva, daquela que deveria ser uma medida provisória, excepcional. Essa é “a melhor”. Afinal, nada dá mais resposta à sociedade do que a prisãoContinuar lendo “O que importa é prender (preventivamente), nada mais”