Por que não respeitamos a opinião contrária?

Aparentemente, vivemos um período em que não respeitamos a opinião contrária. Ao que tudo indica, pensar diferente é motivo de raiva. Mas por qual razão não aceitamos a opinião contrária? Vivemos uma “era da intolerância”? Já faz algum tempo que escrevo sobre Direito Penal, principalmente no que se refere a assuntos voltados para a Criminologia, oContinuar lendo “Por que não respeitamos a opinião contrária?”

O caos no Espírito Santo e a comprovação de que precisamos evoluir muito (e você pode ajudar)

Como muitos devem ter percebido, o Espírito Santo (o Brasil, o Mundo) vive um grande problema. A Polícia Militar entrou em greve (sim, a PM está de GREVE), sem nenhum homem na rua e isso já dura quase uma semana. Apesar de ser proibido o movimento grevista dos policiais militares, ante a militarização da polícia, arrumaramContinuar lendo “O caos no Espírito Santo e a comprovação de que precisamos evoluir muito (e você pode ajudar)”

Não podemos exigir o cumprimento das normas

Uns dias atrás eu vi uma postagem no Facebook que falava sobre a nossa impossibilidade de exigir de certas pessoas o cumprimento das (nossas) normas. Desde então, não consigo mais parar de pensar nela. Esse post era composto de uma foto (abaixo), atribuída a Rubén González, e os seguintes dizeres: “Meninos de rua tentando se aquecer nosContinuar lendo “Não podemos exigir o cumprimento das normas”

O começo de uma mesma era

A presidente foi afastada da presidência(!), essa é (ou era) a nossa chance de trilhar um novo começo, de fugir dessa mesma política de sempre! Acredito que esse seja o pensamento de muitos daqueles que imaginaram que um novo governo seria melhor, ou ao menos mais promissor, do que aquele que está com os diasContinuar lendo “O começo de uma mesma era”

É o fim (ou perto disso)

A tragédia ocorrida em MG, relacionada ao rompimento da barragem de rejeito da empresa Samarco, demonstra, no mínimo, uma coisa: o que tá ruim pode ficar ainda pior. Se não fosse suficiente todos os danos materiais causados às pessoas que moravam em cidades próximas às barragens, ainda temos os (incalculáveis) danos ambientais. Em todo oContinuar lendo “É o fim (ou perto disso)”